NOSSAS IDÉIAS E ATITUDES TÊM UM PAPEL: TRANSFORMAR A REALIDADE!

Create your own banner at mybannermaker.com!

quinta-feira, 1 de julho de 2010

HALITOSE OU MAU HÁLITO. EVITE ESSE CONSTRANGIMENTO!


É o nome científico para o mau hálito que atinge tantas pessoas e torna-se um grande obstáculo na vida dos portadores desse problema. Não se trata de uma doença e sim de um sintoma dado por nosso organismo de que algo não vai bem, encontra-se em desequilíbrio.
A halitose pode ter várias causas dentre elas:
- cáries, gengivites, periodontite, saburra lingual, cáseos amigdalianos, stress, rinite, sinusite, amigdalite, diabete
- consumo de alguns alimentos em excesso com consequente dificuldade de metabolização (gorduras, enlatados, bebidas alcóolicas, cebola, alho, café
                                                      - tabagismo
 Um processo chamado fadiga olatória é que geralmente faz com que quem sofre de mau hálito não consiga detectá-lo pois a convivência contínua com o mau odor torna-o quase imperceptível devido a uma adaptação fisiológica ao cheiro.
A prevenção é o melhor caminho e para tal devemos:
- fazer limpeza da língua delicadamente com limpador lingual ou escovas de dente
- uso correto do fio dental e de escova macia e de boa marca
- utilizar a correta técnica de escovação
- fazer uma higienização correta após cada refeição usando também produtos especiais para os portadores de próteses removíveis ou totais
- não utilizar soluções para bochecho a base de álcool
- evitar intervalos superiores a 3 ou 4 horas entre refeições
- consumir de 2 a 3 litros de água por dia
- evitar consumo excessivo de alimentos com odor carregado
- evitar consumo excessivo de café e bebidas alcóolicas
Se detectada e tratada de forma correta a halitose tem grande chance de ser revertida.
Portanto procure um profissional qualificado para obter o resultado de tratamento desejado.
Essas informações têm  objetivos meramente informativo e educacional. Para fins de orientação médica e diagnóstico procure um profissional para o devido tratamento.

Nenhum comentário: